terça-feira, 3 de fevereiro de 2009

Candidatos Autarquicos vs Comissões Nacionais

Analisando o recente caso com o "chumbo" da candidatura de um antigo inspector da Judiciária a cargos autarquicos, por parte da comissão nacional do PSD, apesar de legitimamente escolhido pelos seus pares locais, há qualquer coisa que salta à vista: QUEM MANDA AINDA SÃO OS DE LISBOA!

Sendo assim, e uma vez que os "do largo do rato" também estão em Lisboa, e tendo em linha de conta a regra de que "em equipa que vence não se mexe", não será prematuro pensar que o candidato do PS à Câmara Municipal da Mealhada, venha a ser Marqueiro ao invés de Cabral?

Numa altura de grandes incertezas a nível internacional e com uma grande parte das Câmaras Municipais a "berrar" do ponto de vista de equilíbrio orçamental, a CMM soube (por vezes com alguma ingenuidade e até - sob alguns pontos de vista - falta de ambição) manter a saúde das contas municipais.

Agora que tudo está equilibrado, e a maior parte das obras públicas executadas (como o saneamento) deixando espaço para surgirem outros géneros de obras de fundo, não seria altura de deixar esta "equipa" provar o seu arrojo com mais um mandato?

Não será esta a dúvida, que existirá por parte de quem decide (de facto) em Lisboa?

2 comentários:

Pedro Costa disse...

E porque não colocar a questão noutro sentido?
Será que não é precisamente isso que torna o lugar tão apetecível?

Estrangeiro disse...

De facto, e apesar de as minhas convicções partidárias serem mais alaranjadas que o partido que netse momento rege a CMM, concordo com um novo mandato de Cabral e sua equipa.
Não tenho a mínima confiança em César carvalheira, que surge apenas como candidato porque o PSD... não tem mais ninguém cujo nome seja conhecido da maior parte do eleitorado. Já Rui Marqueiro, deixa-me morto de riso quando vem para o Jornal da Mealhada dizer que, se Cabral avançar, ele também avança, com uma candidatura única, porque entende que é necessário dar lugar à renovação e a mais jovens no poder. No entanto, esta conversa só serve para quem se deixa levar por ela. É óbvio que Marqueiro quer o poder... mas não quer dar a ideia disso. Então arranja o argumento incrível de dizer que se Cabral se candidatar ele tb se candidata... para ganhar... e para 4 anos depois, passar testemunho a um "jovem".
Como se em Portugal ainda estivessemos no tempo dos castelos e o trono fosse ocupado por sucessão directa...

Assim, cá temos a miséria que são os nossos políticos brejeiros... Marqueiro vê agora a CMM consolidada orçamentalmente... algo que ele naõ conseguiu fazer quando lá esteve tanto tempo e com muito mais dinheiro dos Quadros comunitários da época, muito mais favoráveis, e identifica uma oportunidade de Ouro para tentar, mais uma vez, fazer as vontades aos amigos, enchendo os bolsos de alguns e comendo uns leitões acompanhados de bom espumante ou vinho da bairrada.
Agora que as obras de fundo em termos de infraestruturação estão feitas no concelho ou em projecto, é óbvio que é muito mais confortável sentar-se na cadeira do poder.
Isto à parte de que Marqueiro não é um político em quem se possa confiar.
Ao meu amigo César Carvalheira, peço desculpa, mas ele ja viu tempo de se deixar destas lides. Já não tiveste tempo de ver que o nosso partido te chama quando não tem outra solução?

O Cabral merece e precisa de mais um mandato para mostra o que pode ainda mais fazer pela Mealhada.