segunda-feira, 6 de outubro de 2008

Nova Escola de Hotelaria no Luso tem pernas para andar.


O Turismo de Portugal vai voltar a investir na formação com a Nova Escola de Hotelaria e Turismo que vai ser construída no Luso, nas antigas instalações da Pensão Avenida e Pensão Lusa.

«Esta unidade vai representar uma aposta num moderno sistema de ensino, estando equipada com quadros interactivos e integrando planos curriculares mais adequados às necessidades do mercado de trabalho, com uma maior formação comportamental e um reforço de línguas e tecnologias da informação. A adesão ao projecto e-escola do Ministério da Educação, que permite aos alunos e formadores adquirirem um computador portátil com ligação à Internet por 150 euros, é outra das inovações da Escola de Hotelaria e Turismo de Luso», adiantam em comunicado.


Na sessão de apresentação que se vai realizar no Casino do Luso no próximo dia 25 de Outubro, vão estar presentes o presidente do Turismo de Portugal, Luís Patrão, o presidente da Região de Turismo do Centro, Pedro Machado, e o presidente da Câmara Municipal da Mealhada, Carlos Cabral.


A estrutura formativa resultou de um protocolo celebrado entre o Turismo de Portugal, que adquiriu o equipamento operacional e pedagógico, e a Câmara Municipal da Mealhada, que vai ser responsável pelas obras de adaptação nos edifícios das antigas pensões Lusa e Avenida, de acordo com comunicado de imprensa.


2,75 milhões de euros
O projecto, da responsabilidade do Turismo de Portugal, representa um investimento de 2,75 milhões de euros, financiado pelo Orçamento do Estado e pelo Programa Operacional da Região do Norte (FEDER).
A Escola de Hotelaria e Turismo de Luso vai permitir acolher, anualmente, entre 150 e 175 alunos, distribuídos pelos cursos de qualificação inicial de cozinha, restaurante-bar, alojamento e turismo, com equivalência ao 12º ano de escolaridade.
«Esta nova unidade de formação possibilitará, também, ministrar acções de qualificação, especialização e aperfeiçoamento dirigidas aos profissionais da hotelaria, restauração e turismo, para cerca de 200 formandos por ano», acrescentam.

8 comentários:

LUIS FERNANDES disse...

Ainda bem. Que bom que é para o Luso. Além de mais recupera-se uma jóia da hotelaria, a saudosa Pensão Lusa, que tão gratas recordações me traz. Nos meus tempos de menino, namorei uma "piquena" que era funcionária desta casa.

afroluso disse...

E porque é que não incluiram o velho Hotel Serra nesse pacote?
parece que já foi comprado pelo Inatel, mas não mexeram lá nada e o dito, agora fundação Inatel) cederia o edifício.

Adelo disse...

E já agora, só falta a Pousada da Juventude no velho Hotel Miradouro (lá em cima nas Almas). E a Orbitur vai deixar o Parque de Campismo... qual a empresa/empresário lusense que se abalança à exploração da coisa (com picina ou sem picina)...

Pedro Costa disse...

Aqui há uns anos o Sr António Pimenta falou-me na vontade de alguns lusenses em criar no Hotel Serra a tal escola de hotelaria, mas entretanto ficou tudo em águas de bacalhau.
Se esta notícia é verdadeira, congratulo-me: o Luso sempre foi berço de grandes profissionais da hotelaria. O próprio hotel Lusitano funcionou como escola durante uns tempos e formou gente com grande qualidade. Tive o privilégio de trabalhar com alguns.
Para a questão da Pousada da Juventude temos que esperar que mude o presidente da câmara.

BURRIQUEIRO disse...

SE ESTA NOTICIA NAO FOR PARA RIR, FICO SUPER, MEGA CONTENTE...
ALEM DE MEXER O BICHINHO DAS SAUDADES DE VER AS PENSOES LUSA E AVENIDA REPLETAS DE TURISTAS, ORIUNDOS DE TODA A PARTE DE PORTUGAL E NAO SÓ.
EM TEMPOS PASSADOS O MEU AVÔ ENSINOU MUITOS ESTAGIARIOS A SOBREVIVEREM NO MUNDO DA HOTELARIA.
SERÁ QUE O LUSO ESTA A ACORDAR????

D'artagnan disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
D'artagnan disse...

Ora aqui está uma maneira diferente e divertida de abordar os problemas. Ou pouco de humor negro nunca fez mal a ninguém.

Quanto à temática em sí, é um assunto que reúne consenso de toda a gente. Além de fazer sentido numa terra com a vocação turística que o Luso tem, constituiria um grande "empurrão" no marasmo que se verifica durante o Inverno.

Do Sr. António Pimenta (presidente da ADELB), ao Sr. Jorge Carvalho (Secretário da Junta de Freguesia de Luso), passando pelo Sr. Raúl Aguiar, Sr. Júlio Penetra, etc, etc, etc, toda a gente concorda com a acção positiva que tal entidade poderia ter sobre o Luso.

Pode ser que um dia....

Pedro Costa disse...

Um dia o país vai acordar e descobrir que as EB e as C+S não têm vocação para o ensino profissional. Dúvido até que o próprio Ministério da Educação tenha vocação para tal designio, a avaliar pelo que se tem visto.
O ensino profissional requer uma envolvência e uma rotina no ambiente escolar que as escolas do ensino regular não conseguem reproduzir: tentar criar um ambiente profissional numa atmosfera hostil à disciplina e ao rigor profissional é esforço inglório. Eu sei muito bem do que estou a falar pois já trabalhei nos dois mundos e posso garantir que estamos a falar de coisas completamente antagónicas.
Quando o ensino da hotelaria voltar ao esquema profissionalizante que sempre teve, poderá realmente sonhar-se com uma escola hoteleira a sério no Luso: seja ela construída de raíz ou um polo da Inftur Coimbra ou do IEFP da Pedrulha ou até um braço turistico da Escola Profissional Vasconcellos Lebre (tudo se pode fazer desde que sejam postos à disposição do projecto meios sérios, humanos e técnicos). Haja vontade...