sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

Jornal de Notícias - Buçaco

GNR investiga abate ilegal de árvores na Mata do Buçaco
Denúncias apontam para o corte de sobreiros e azevinhos
00h32m

O Núcleo de Protecção Ambiental da GNR de Anadia está a investigar o denunciado abate ilegal de espécies como sobreiros e azevinhos na Mata Nacional do Buçaco, Mealhada, matéria também alvo de um inquérito interno pela fundação que gere o espaço.

"Estamos a averiguar, em conjunto com outras entidades, denúncias de abate ilegal de árvores, nomeadamente sobreiros e azevinhos", explicou à agência Lusa o comandante do Destacamento da GNR de Anadia, capitão Paulo Serra.

As denúncias, adiantou, foram recebidas através da Linha SOS Ambiente, do Serviço de Protecção da Natureza e do Ambiente (SEPNA) no final de 2010 e no início deste ano.

João Paulo Pedrosa, presidente da direcção do Núcleo de Coimbra da Quercus, disse à Lusa que receberam denúncias, acompanhadas por fotos, de corte de espécies protegidas - sobreiros e azevinhos - tendo depois constatado o abate ilegal no terreno.

"Apresentámos a situação ao SEPNA. Não fizemos a contabilidade [das árvores cortadas ilegalmente]", referiu, adiantando que este abate terá acontecido durante uma intervenção para erradicar exemplares de espécies não protegidas. João Paulo Pedrosa frisou que a Quercus pretende que sejam apuradas as responsabilidades e salientou que "uma intervenção na mata, terreno de interesse público, tem de ser feita por profissionais".

O presidente do conselho de administração da Fundação Mata do Buçaco, a entidade que gere o património do espaço, disse à Lusa que está em curso um inquérito interno "para averiguar se foram danificadas algumas espécies ou não", embora adiante que, com os dados de que dispõe actualmente, "não há nada que comprove que houve crime ambiental".

António Jorge Franco explicou que, no âmbito do plano de gestão da mata, foram cortados pinheiros bravos e acácias, "que estavam a secar, a contaminar e a pôr em perigo" outras espécies.

Este trabalho foi "entregue a um madeireiro que diz não ter abatido espécies protegidas", concluiu.


Reflexões: Sr. Eng.º António Jorge, o senhor disse em várias entrevistas que o trabalho do madeireiro tinha sido supervisionado por técnicos da Fundação. Afinal "o madeireiro diz não ter abatido espécies protegidas". Então ficamos no que diz o madeireiro? Houve supervisão ou não? Os técnicos que supervisionaram não dizem nada também?

Estou mesmo a ver o filme: contrataram o madeireiro que deu mais dinheiro, não se preocuparam em perceber que equipamento seria utilizado, qual a formação/conhecimentos para trabalhar nestes espaços e foi soltar a fera dentro do redil. O Sr poderá tentar sacudir a água do capote com todos os argumentos esfarrapados que entender (desde dizer que não houve azevinhos cortados, até atribuir o trabalho a algo que estava escrito num documento ACADÉMICO e de visão reduzida, feito pela Universidade de Aveiro) mas na verdade só lhe aceito uma justificação: o senhor e toda a sua equipa falharam escandalosamente porque, tal como o madeireiro que contrataram, aquele tal que "OFERECEU MELHORES CONDIÇÕES" (entenda-se, mais dinheiro), os senhores também não têm qualquer formação ou conhecimentos para trabalhar, e muito menos gerir, este tipo de espaços.
A gestão da mata é feita à sorte, ao sabor da maré, sem programação e sem estratégia e vê-se nas pequenas coisas. Desafio-o a explicar, por exemplo, porque é que hoje, dia 21 de Janeiro, um mês depois, ainda se encontra ao lado do Palace Hotel, um hotel de 5*****, aquele monte de lenha vergonhoso que o senhor queria acender na noite de Natal. Será que já está à espera do Natal de 2011?

5 comentários:

Estrangeiro disse...

Noticias e comunicados recentes, especialmente o da QUERCUS que confirma o abate de sobreiros e de Azevinhos de Grande Porte.

Quercus
http://www.quercus.pt/scid/webquercus/defaultArticleViewOne.asp?categoryID=567&articleID=3406

Expresso
http://aeiou.expresso.pt/mata-do-bucaco-gnr-investiga-queixas-de-abate-ilegal-de-especies-fundacao-realiza-inquerito-interno=f627105

RTP
http://tv1.rtp.pt/noticias/index.php?t=GNR-investiga-queixas-de-abate-ilegal-de-especies-Fundacao-realiza-inquerito-interno.rtp&article=408756&layout=10&visual=3&tm=8

Diario IOL
http://diario.iol.pt/ambiente/ultimas-palacio-do-bucaco-anadia-tvi24-gnr/1227338-4070.html

LUSA
http://noticias.sapo.pt/lusa/artigo/12013585.html

Diario Digital
http://diariodigital.sapo.pt/news.asp?section_id=114&id_news=489460

Visao
http://aeiou.visao.pt/mata-do-bucaco-gnr-investiga-queixas-de-abate-ilegal-de-especies-fundacao-realiza-inquerito-interno=f586737
António Jorge, não é bonito ver o Buçaco na imprensa pelos piores motivos, mas é feio ver as suas declarações a tentar negar a evidência.
A QUERCUS confirma o que o senhor nega. Será que tem a lata de os contradizer?
Vergonha. A Fundação é uma vergonha e as vossas atitudes e declarações demonstram o vosso carácter (ou a falta dele).

rui faria disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
rui faria disse...

De mata tão amada pelo povo antigo que aí viveu hoje é uma amargura de desastres sucessivos, no hotel é que ninguém dá por nada!O caviar eas trufas dá-lhes amnésia!!!

E o que é que se sucederá daqui para á frente?

rui faria disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
ADMINISTRAÇÃO disse...

Caro Rui Faria

Queira reformular os seus comentários retirando as palavras de "calão" ou seremos obrigados a fazê-lo nós mesmos amanhã de manhã.

A sua indignação pode ser certamente expressa, sem ter de recorrer a tantas "brejeirices" que acabam por desviar quem lê, do verdadeiro conteúdo dos comentários.

Obrigado